sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Um dia a frente

Acordo calado em desacordo com a cama.
Cobertores demais. Lençóis perfumados.
Arrisco-me a tirar sem pressa meu pijama.
É preciso tempo para saber-me acordado.

Um dia a frente, todo dia, todo um dia.
Faço minha previsão do tempo, chove.
Na geladeira, um queijo em finas fatias.
Pó, água quente, café, copo, um gole.

Ligo a TV. O mundo acontece, morre.
Desejo o novo carro novo do comercial.
Cerveja, futebol, gols, um tênis corre.
Fico sério agora. Notícias no jornal.

Arrumo o cabelo. Escovo os dentes.
Revejo as olheiras de sono, rugas.
O tempo pesa anos de repente.
Esqueço. Vou viver outras lutas.

A chave. O cel. As contas. A carteira.
Absoluta atenção, lembro o indispensável.
Abro o portão. Viro rápido a direita.
Sei o caminho. Sigo. Estou no horário.

Um dia a frente, todo dia, todo um dia.

5 comentários:

Srtª Elis° disse...

gostei do seus textos garotos... muito bem colocados.. senti que es um rapaz bastante lirico... isso e legal... parabéns!!!! xerooo!

Ana Aitak disse...

Muito bom, gostei muito do texto em que escreve sobre quem você é. Parabéns mesmo.

Everton Rocha disse...

continue a escrever, quando publicará? um abraço e parabéns de novo!

viajenaleitura disse...

Passei por aqui e não tive como não comentar,grandes versos,parabéns!

Anita disse...

perfeita palavras direta ao ponto chave do cotidiano.