quinta-feira, 16 de julho de 2009

Parede de Vidro

Sinto a força da existência
como o despertar de um sono milenar.
Quebrou-se a parede de vidro, voar
é mergulhar na experiência.

Vesti-me com véu que cobria tudo,
nu como o primeiro Adão criado.
Coisas cochicham segredo mudo,
rico e pleno de significado.

A realidade foi pregada em minha carne
com os duros cravos do sentido.
Amanheço com o dia, entardeço com a tarde,
anoiteço em seus braços abatido.

Um comentário:

Tina disse...

Não dirás que não comento.
Muito bom (melhor agora - a palavra era msm muito feia).